UNIVERSIDADE ABRE VESTIBULAR 2018 PARA REFUGIADOS E HAITIANOS

UNIVERSIDADE ABRE VESTIBULAR 2018 PARA REFUGIADOS E HAITIANOS

São Paulo, 27 de setembro de 2017. Estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo Especial do Programa da Universidade Estadual de Goiás (UEG) de acesso à educação superior para refugiados e portadores de visto humanitário no Brasil.

O Processo Seletivo Especial selecionará candidatos para vagas suplementares nos cursos de graduação oferecidos pela UEG, em seus respectivos câmpus. Consulte o quadro dos cursos, as cidades e as vagas, bem como, a documentação, os procedimentos e a ficha para inscrição no EDITAL.

As inscrições deverão ser feitas pessoalmente em qualquer um dos câmpus da UEG, até o dia 11 de outubro de 2017.

PROVAS

O Processo Seletivo Especial será realizado em uma única fase, constituída de prova objetiva e prova de redação, a serem realizadas no dia 19 de novembro de 2017. Para os candidatos ao curso de Arquitetura e Urbanismo, será aplicada uma avaliação de habilidade específica, que será realizada no dia 29 de outubro de 2017.

O resultado final com a lista de nomes dos candidatos classificados será divulgado no dia 10 de janeiro de 2018.

STATUS DE REFUGIADO

Conforme o Alto Comissionado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), são reconhecidos como refugiados as pessoas que foram obrigadas a deixar seu país de nacionalidade devido à grave e generalizada violação de direitos humanos, conflitos armados ou perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas. Para esses indivíduos, é perigoso regressar ao seu país de origem, por isso precisam buscar refúgio em outro lugar.

VISTO HUMANITÁRIO

No Brasil, o visto humanitário está previsto na Lei nº 6.815/1980 e foi concedido à população haitiana em 2012, por causa do agravamento de suas condições de vida em decorrência do terremoto ocorrido no Haiti, em janeiro de 2010.

Em 2013, o visto humanitário também foi estendido às pessoas afetadas pelo agravamento do conflito armado na Síria.

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *