ESTRANGEIROS SE UNEM A ATOS POR MORADIA EM SÃO PAULO

ESTRANGEIROS SE UNEM A ATOS POR MORADIA EM SÃO PAULO

 

São Paulo, 09 de junho de 2014. No prédio do antigo Cine Marrocos, na região central de São Paulo, 475 famílias pagam R$ 200 mensais ao Movimento dos Sem-teto do Sacomã (MSTS), criado em setembro de 2013 e responsável por sete ocupações. Dos sete andares, três estão reservados só para estrangeiros. Haitianos, o grupo mais numeroso, somam 52 famílias e ficam no segundo pavimento. Camaroneses e dominicanos estão logo acima, no terceiro. No quarto ficam peruanos, bolivianos e venezuelanos. Gays e travestis foram agrupados no quinto andar.

Às vésperas da Copa do Mundo, estrangeiros moradores de ocupações, incluindo imigrantes de Serra Leoa e de Cabo Verde que participaram de conflitos armados em seus países, estão escalados na linha de frente dos protestos de sem-teto marcados para acontecer em São Paulo a partir de terça-feira. Manifestações previstas para terça prometem parar a cidade

Atualmente, 17 movimentos de luta por moradia – entre eles Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Luta por Moradia Digna (LMD), Movimento Moradia Para Todos (MMPT) e Frente de Luta por Moradia (FLM) – pressionam vereadores a incluir no novo Plano Diretor proposta que reserva novos terrenos para a construção de conjuntos populares, até mesmo em áreas nobres e de preservação ambiental. Os atos prometem mais uma vez parar o centro, como vem acontecendo há três meses.

A esperança que move o haitiano Wadson Jean, 34, é a de participar de algum programa habitacional, como o Minha Casa Minha Vida. No país desde 2011, ele quer arrumar logo uma mulher e ter um filho, o que lhe daria direito ao benefício. Jean mora no prédio do Cine Marrocos desde o fim do ano passado e já viveu em duas favelas. “Não perco um protesto”, afirma.

Os principais movimentos estimam que africanos e latinos representem hoje 10% dos moradores dos 50 prédios da região central que viraram ocupações desde outubro de 2012. Segundo a Prefeitura, são 20 mil moradores fixos nos edifícios. Desses, 2.000 são estrangeiros.

Pelo direito à moradia digna

Prestes a completar cinco anos de Brasil em 9 de setembro, o casal de peruanos Carmem Paredes, 32, e seu marido, Richard Torres, 33, não deseja mais nada na vida além de uma casa própria. “Quando não consigo ir, por causa do filho, meu marido vai. A gente não falta em nenhum. O próprio artigo 6.º da Constituição assegura moradia a todos os cidadãos do país, não diz que estrangeiro não pode”, afirma Carmem, repetindo um mantra adotado pelos moradores de ocupações do centro.

Ficar no Brasil

Acolhimento. Para entrar em programas de moradia do governo, o estrangeiro precisa ter pelo menos cinco anos de residência fixa e legal no Brasil, além de filho matriculado em escola, entre outras exigências.

Fonte: O Tempo on line.

PROTESTA CONTRA REALIZACIÓN DEL MUNDIAL BRASIL 2014

2 comments on “ESTRANGEIROS SE UNEM A ATOS POR MORADIA EM SÃO PAULO”

  1. estarei aguardando saber mais dos acontemientos de moradia,pago impostas e nao tenho ningum beneficio

    • Marcos says:

      Também pago impostos. Quase seis meses do meu trabalho de um ano, são para pagar tributos. Não recebo praticamente nada por isso… Também quero moradia…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *